Caçador de Recompensas

abril 14, 2010

https://i2.wp.com/2.bp.blogspot.com/_MC9XvQiuf24/S3ZAudlg4BI/AAAAAAAAG7o/lngwTwzrB1E/s640/ca%C3%A7ador_de_recompensas_cartaz.jpg

por Wanderson Awlis*


Caçador de Recompensas (The Bounty Hunter), que estreia nesta sexta dia 16, chega aos cinemas classificado como uma ‘comédia romântica’, no entanto, não tem uma coisa e nem outra. A direção do longa está a cargo de Andy Tennant (Hitch – Conselheiro Amoroso).

O enredo é bem simples. Milo (Gerard Butler) é um ex-policial que, procurado por dívidas de jogo, é designado a capturar sua ex-mulher, a repórter Nicole Hurly (Jennifer Aniston), fugitiva da polícia por um delito. Pronto. Está armada a confusão e a brincadeira de caça entre gato e rato. Enquanto tentam resolver um caso, sobreviver a tiroteios e perseguições, os dois ainda encontram tempo para discutirem a relação mal resolvida.

Diferente de outras comédias do gênero que você até consegue rir e se divertir, em o Caçador de Recompensas isso custa a acontecer pelas situações extremamente forçadas. O casal protagonista não consegue dar conta do recado. Aliás, os dois juntos têm zero de química para esse tipo de filme.

O excesso de pequenas cenas desnecessárias e personagens que são muito mal explorados tornam a história completamente sem sentido e cansativa, além de não justificar a participação dos mesmos. Poderiam ter centralizado tudo em um só lugar, ao invés de ficarem viajando e trocando de cenário a todo momento.

Os típicos personagens – a ex-sogra, o amigo esquisito, um bobão apaixonado – estão todos presentes em situações já muito exploradas nesse gênero, mas que nesse caso não adiantou em nada. Pelo contrário, só atrapalharam.

No meio disso tudo ainda tem uma pseudo-trama policial que aparece como pretexto para manter o casal junto. Além de ser um ingrediente a mais, dispensável por sinal, só serviu para atrapalhar o roteiro, já que o mesmo foi mal desenvolvido.

Não sei o que é pior no filme, a direção, o roteiro ou os atores. Todos contribuíram para que o filme se tornasse entedioso.  Em alguns instantes você ameaça esboçar um sorriso, porém, a tentativa é em vão. Só distraí e faz passar o tempo.

*Wanderson Awlis é editor do site Laskakumbuka e escreveu esta crítica especialmente para o Cinemmarte.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: