Foi apenas um sonho

janeiro 30, 2009

foi-apenas-um-sonho-cartaz

por Janaina Pereira

Sam Mendes era um diretor de teatro quando, ao fazer seu primeiro filme para o cinema, alcançou o sucesso absoluto com o ácido Beleza Americana. A partir daí, traçou sua carreira cinematográfica dirigindo dramas consistentes, como o ótimo Estrada para Perdição. Agora ele está de volta com mais um filme dramático, Foi apenas um sonho (Revolutionary Road). O filme estreia hoje e marca o reencontro nas telas de um dos casais de protagonistas mais charmosos do cinema: Leonardo DiCaprio e Kate Winslet (aliás, adoro os dois).

Leo e Kate têm muita coisa em comum. Começaram a carreira na adolescência e logo fizeram muito sucesso – ele, em Gilbert Grape; ela, em Almas Gêmeas. A dupla se encontrou há 12 anos em Titanic, um estrondoso sucesso que quase naufragou com suas carreiras. Blockbuster da pior qualidade, fez sucesso mas ‘queimou o filme’ do casal. Porém, Leo e Kate têm talento de sobra e seguiram adiante, fazendo papéis difíceis e conseguindo reconhecimento da crítica.

Leo, eterno injustiçado no Oscar, vinha sendo indicado aos prêmios de melhor ator nesta temporada pelo Revolutionary Road de Sam Mendes. Kate, algumas vezes indicada mas sempre preterida, também. Eis que o filme parecia a redenção dos dois, após a avalanche de indicações no Globo de Ouro e a vitória de Kate como atriz. E aí veio a surpresa. A Academia de Hollywood esnobou Mendes e DiCaprio e indicou Kate por O leitor – filme que também abocanhou o lugar até então cativo de Revolutionary Road como um dos melhores filmes do ano passado.

Vamos aos fatos: esqueçam o título em português, ele entrega – e estraga – a história. O filme poderia ter sido indicado ao Oscar sim, mas não foi, e isso não o diminui em nada. É uma produção impecável, com muito requinte técnico, atuações memoráveis, direção instigante e ainda com direito a fotografia do Roger Deakins, meu favorito.

Adaptado do romance de Richard Yates, o roteiro de Justin Haythe narra a vida de Frank (DiCaprio) e April Wheeler (Winslet), um casal que sempre se considerou especial, diferente e disposto a levar uma vida baseada em altos ideais. Assim, quando se mudam para o novo lar na Revolutionary Road, eles prometem não ficar presos aos limites sociais da época (anos 1950) e acreditam que não serão contaminados pela inércia do subúrbio. Mas o tempo passa e os Wheeler acabam se tornando tudo que sempre abominaram: ele, um homem preso a rotina de um trabalho que detesta; ela, uma dona-de-casa infeliz. Disposta a virar o jogo, April faz uma proposta, aparentemente absurda, ao marido, e o casal passa a conviver com um incômodo dilema.

No começo é DiCaprio quem domina as cenas mas, ao final da história, percebemos que o filme é de Kate. É a sua personagem quem comanda a ação, o drama, o desespero e a paixão que permeiam esta produção primorosa, uma espécie de Beleza Americana ao contrário. Dessa vez a luta para sair da inércia não passa de um sonho, como diz o título em português.

Vale destacar que Foi apenas um sonho recebeu três indicações ao Oscar – figurino, direção de arte e ator coadjuvante para o excelente Michael Shannon, que brilha como o supostamente desequilibrado John.

O filme mostra a maturidade de Leo e Kate e apresenta, especialmente, mais uma face da classe média americana – sem sonhos, sem brilho, sem esperança. Bem ao estilo de Sam Mendes.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: